quarta-feira, 19 de novembro de 2014

"Barfuss" x "Barefoot": quando o original é bem melhor

quarta-feira, 19 de novembro de 2014


Esses dias assisti "Barefoot", filme em que a Rachel Evan Wood protagoniza toda fofinha, e de cara percebi que já tinha visto algo parecido. Descobri depois que o longa é adaptação de "Barfuss", uma comédia dramática muito legal que assisti uns anos atrás. Se antes da constatação eu já tinha achado "Barefoot" bem mais ou menos, depois que eu descobri que era uma adaptação, virou covardia.

No longa, Jay Wheeler (Scott Speedman) é garoto-problema com dívida da mafia e uma família rica que não se dá muito bem. Daisy Kensington (Evan Rachel Wood) é internada em uma clínica psiquiátrica depois da morte da mãe, onde nosso protagonista trabalha. Ela então segue Jay para fora da instituição, fugindo da internação, e ele aproveita a fofura da moça para levá-la no casamento do irmão, amolecer o coração da família e conseguir o dinheiro para pagar a dívida - ou seja, basicamente um enredo de comédia romântica. O problema que apesar do esqueleto de "Barfuss", o filme fugiu do drama, transformou a história em um romance mais ou menos e escolheu ignorar toda a história da protagonista feminina.


Diferente da adaptação, o alemão tem coração. Rachel Evan Wood é uma Pollyanna, e que descobrimos ao longo do filme, nem problemas psiquiátricos tem, já em "Barfuss",  Leila (Johanna Wokalek) tem aos montes. o protagonista, Nick Keller (Til Schweiger) é mais vida real, não tem dívida da máfia, mas é semi-desempregado e sem dinheiro. Ele conhece Leila quando ela tentava se matar no banheiro do hospital psiquiátrico - a forma que ela arranja para chantagear Nick e não deixar ele levá-la de volta para o instituto. Em "Barfuss", a protagonista está internada com razão, e tem trejeitos, tiques e crises ao longo de todo o filme - a história sobre estar descalça, que dá nome as duas produções aparece muito mais aqui. Na tentativa de pasteorizar e tirar o drama, "Barefoot" perdeu a alma e um dos finais mais legais que eu já vi em comédias dramáticas.

Pela minha visão parcial já dá para ver qual dos filmes eu prefiro, né? Na dúvida, vá com o alemão, é fofo e dramático ao mesmo tempo, e apesar da fotografia esverdeada, dá de dez a zero em "Barefoot". Para infelicidade geral, nenhum dos dois filmes foi lançado no Brasil, mas internet está ai para isso, minha gente.


(como a maioria, não falo alemão, mas é bem fácil de entender o trailer, eu juro!)

2 comentários:

  1. Olá, adoro o seu blog! Sou apaixonada pelo Til Schweiger mas não acho esse filme em lugar nenhum. Você poderia me falar onde encontrou, por favor?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assisti online. Procure por torrents ou streamming que você acha legendado!

      Excluir

Coisas Infinitas © 2014