segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Dê uma chance aos filmes antigos: porque "Aconteceu Naquela Noite" pode ser um dos pioneiros da comédia romântica

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014


Já li várias críticas ao tema "Comédia Romântica": é raso, é bobo, ensina meninas a sonharem com cavaleiro de espada, etc, etc e etc. Apesar disso, não consigo desapegar do gênero, principalmente naqueles dias que se esforçar para entender um enredo intrincado não é uma opção. O tema é clássico: garota conhece rapaz (e atualmente também garota conhece garota ou rapaz conhece rapaz), tem imprevistos, se apaixonam, o filme é leve demais para ser triste, mas fofo demais para ser pastelão: temos então a "comédia romântica".

"Aconteceu Naquela Noite" foi lançado em 1934 (80 anos, minha gente, 80 anos) e pouca gente conhece - e quem é apresentado ao longa, torce o nariz para os anos entre seu lançamento e o tempo atual, ser preto e branco e ser uma das pérolas da Hollywood antiga. A história é a seguinte, a filha de um milionário sai de casa quando seu pai não permite que ela se case com seu pretendente playboy. Nessa fuga, ela encontra um jornalista sem futuro, porém charmoso. Ele é cínico, ela irritante, eles estão em viagem e cada vez em mais dificuldade, e logicamente eles se apaixonam nesse processo. Tema batissismo, não é? Pois saiba que o  filme dirigido por Frank Capra é o primeiro a ter esse roteiro, o pai e mãe de todas as comédias românticas.

Não digo que seja o primeiro, pois os filmes tem o apelo romântico desde que mundo é mundo, seja mudo, falado ou cantado, mas que "Aconteceu Naquela Noite" tem tudo que conhecemos bem e feito de uma forma primorosa, é verdade. Apesar de 80 anos, o longa ainda diverte e é "entendível" e crível e ainda tem cenas incríveis e memoráveis. O cinema imortalizou pernas pedindo carona, sabe de onde elas são? tá lá em "It Happened One Night". Então vai o apelo: vale pela história, pelo humor, pelos protagonistas (Clark Gable está aqui antes de "E O Vento Levou", olha que loucura?) e pelo diretor (Eu aposto que vocês ainda choram no natal vendo "A Felicidade Não Se Compra"; Mesmo diretor, viu?), vale pelo seu papel histórico e vale pelo depreendimento de descobrir que a história original de um tema batissismo apareceu pela primeira vez há 80 anos.


E para quem já assistiu, vai a curiosidade: sabe o gestual e toda a mania de comer cenouras do personagem do Clark Gable? Lembra alguém? Isso ai folks, pernalonga é descaradamente inspirado no Peter Warne do filme.

2 comentários:

  1. Esse filme está na minha listinha, me indicaram algumas vezes. :3
    Adorei o blog, by the way!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! E Avisa quando ver para trocar figurinhas.

      Excluir

Coisas Infinitas © 2014