segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Para ouvir: Melendi

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015


Conheci o Melendi na fase sóbria: ele tinha acabado de se meter em uma confusão durante um voo e decidiu largar bebida, drogas e remédios tarja preta (pouco pesado o moço) e no meio disso lançou "Curiosa la Cara de tu Padre". Ele é um asturiano - sim, espanhóis tem dessas, preferem a região ao país porque falam outro idioma, né? - que começou cantando uma rumba flamenca das boas, mas que agora está mais próximo a um pop rock latino. Não desmerecendo o trabalho atual do Melendi, mais vendável e que atraiu muito mais fãs, gosto mais da época que dava para mexer as cadeiras e querer fazer a dançarina flamenca.

Por que ouvir?
Porque além de ser uma música diferente, a voz diferente do Melendi te conquista. Você acha a voz feia incrivelmente bonita para o que ele quer te mostrar e quando vê, já está cantarolando junto (acho que tenho um fraco por vozes diferentes porque disso o mesmo do Leiva). Além disso, como o Melendi tem fases, é possível curtir desde as baladas românticas atuais ao Melendi Callejeiro do início da carreira.


Por que não ouvir?
Dependendo da música, ele pode ser "etnico demais" para ouvidos brasileiros - em outras palavras, rumba flamenca não é um ritmo que as pessoas estejam acostumadas a curtir por aqui. Outro ponto é a voz, como disse ai em cima.


Para iniciantes:
Melendi tem sete discos de estúdio, "Sin noticias de Holanda", "Que el cielo espere sentao", "Mientras no cueste trabajo, "Curiosa la cara de tu padre", "Volvamos a empezar, "Lágrimas desordenadas e "Un alumno más". Se o seu negócio é pop/rock/algo entre esses dois, seu alvo são os últimos três CDs, para quem procura o tal ritmo espanhol, a coisa é com os três primeiros. Com isso, voltamos ao álbum que conheci o melendi, "Curiosa la Cara de tu Padre" é praticamente o melhor dos dois mundos. Agora chega de blablabla e vamos ao setlist:

Melendi by Karen Araujo on Grooveshark
Eu gosto mais do Melendi dos inicios mas não resisto a algumas das baladas - levanto até a mãozinha - mas aparentemente o mundo gosta mais do asturiano atual. Ele é figurinha fácil no top global do Spotify, moral pouca, né?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários

Coisas Infinitas © 2014