sexta-feira, 22 de maio de 2015

Três dramédias com Kristen Wiig que você precisa ver

sexta-feira, 22 de maio de 2015


Desde que estourou com Missão Madrinha de Casamento, Kristen Wiig ganhou mais liberdade criativa para fazer seus filmes. A atriz tem flertado com o cinema independente enquanto participa de grandes produções, na maioria das vezes, protagonizando comédias dramáticas - as vezes com muito mais drama do que comédia. Escolhi três das que mais me chamaram atenção para indicar. Para ver os trailers, é só clicar nos títulos.

Amores Inversos (Hateship Loveship)

Dos três, esse é o único que me fez cair armadilha "ué, não é comédia leve?". Mesmo tendo visto outros filmes não-pastelão da Kristen - falei aqui sobre "A Vida Secreta de Walter Mitty" e seu papel de muda do protagonista - fiquei curiosa sobre esse filme tão "minimalista". No longa, a atriz é Johanna Parry, uma cuidadora que cai na brincadeira cruel de duas meninas: fingindo ser o pai de uma delas, as adolescentes começam a trocar cartas e e-mails com a personagem de Wiig. 

Cheio de sutileza e um pouco arrastado, dá para observar bem a diferença entre a Kristen dramática e a Kristen comediante. O filme é uma adaptação livremente inspirada no livro "Ódio, Amizade, Namoro, Amor, Casamento", da ganhadora do prêmio Nobel de literatura Alice Munro.


Esse é mais um filme engana-quem-não-leu-sinopse, porque os dois atores tem cadeira cativa no Saturday Night Live. Apesar de protagonizado tanto por Kristen Wiig como por Bill Hader, a atriz rouba a cena na história dos dois irmãos suicidas que não se veem há dez anos. Ofilme começa com Maggie (Kristen) indo cometer suicídio quando é avisa que seu gêmeo, Milo (Hader), também tentou e está no hospital.

Milo vai morar com Maggie e os dois tentam continuar de onde pararam. Sem tentar suavizar as coisas, o longa é praticamente um diálogo da dupla, sua vida mais ou menos, suas frustrações, a depressão e o passado que os separou. É emocional, mas tem cenas engraçadinhas, que segura o clima tragicômico.

Welcome to Me



Eu acho "Welcome to Me" o mais dramático dos três porque todos os momento irônicos te deixam incomodado por rir. Na história, Wiig é Alice Klieg, mulher fascinada por Oprah e cisnes. Ela ganha na loteria 86 milhões de dólares e resolve ter seu próprio programa, falando sobre si, aos moldes da apresentadora mais famosa do mundo, mas temos um problema: Alice tem transtorno de personalidade limítrofe e desde que ganhou o dinheiro, parou a terapia e os medicamentos.

A questão aqui é que não temos piadas sobre o TPB de Alice, e mesmo assim, temos desconforto em rir. É um drama com alivio cômico, momentos de tristeza e a relação da personagem com o mundo. Não é fácil para todos - principalmente para quem assiste achando que é mais uma comédia de Kristen Wiig - mas é um retrato legal e sensível sem cair nas piadinhas.

Que que você achou de quem fala que comediante não sabe fazer drama, heim Kristen?


Um comentário:

  1. adoro ela! não curto filme pastelão, mas ela dá certo neles. gosto muito dela no filme do Mitty (porque é o filme do Mittty <3) mas mais ainda no MIssão Madrinha de Casamento, um filme horroroso, haha, mas que me fez prestar atenção nela e daí lembrar dos outros filmes em que eu a vi. Não sei, me parece que ela dá certo no drama também, curti as sugestões!

    ResponderExcluir

Coisas Infinitas © 2014