segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Três séries/filmes de época para sofrer além de "Orgulho & Preconceito"

segunda-feira, 26 de outubro de 2015
Há alguns dias, postei em em uma rede social uma lista do Facebook sobre reações que a gente sempre tem vendo "Orgulho & Preconceito". Guess what? Aparentemente todo mundo sofre com a história do clã das Bennet. Então para dividir a dor e dizer que ainda há esperança, vai três dicas de filmes/séries de época para a gente sofrer também - são bem boas, confiem em mim.

North & South (2004) 
A BBC, sempre ela, lançou essa série belíssima com gente orgulhosa e preconceituosa assim como o livro de Jane Austen. Aqui temos Margaret Hale (Daniela Denby‑Ashe), que se muda do sul rural para o norte industrial da Inglaterra depois que seu pai clérico abandona o trabalho, levando um choque cultural e social. John Thornton (Richard Armitage), tutelado pelo pai dela, um símbolo por excelência dessa sociedade que indigna Margaret e a deixa confusa. É uma adaptação do livro de 1855 de Elizabeth Gaskell - que só achei adaptado há dois anos aqui no Brasil pela Landmark 

Por que é legal? 
Richard Armitage, casal que briga, gente apaixonada sem contar para o outro, figurino bonito e sotaque inglês, preciso dizer mais? É um romance clássico com um pano de fundo bem diferente para quem curte séries desse período: tem pouco ambiente rural e casas gigantescas, aqui temos industria, trabalhadores e mazela.




Persuasão (2007)
Todas tem um fraco por Mr. Darcy, certo? Pois caros senhores, meu personagem favorito de Jane Austen atende pelo nome de Capitão Frederick Wentworth. "Persuasão" é o livro mais sério e melancólico da autora, e fala sobre a constância de um sentimento mesmo depois da rejeição. Para quem não conhece, conta a história de Anne Elliot (Sally Hawkins) que se apaixonara pelo pobre, mas ambicioso jovem oficial da marinha, capitão Frederick Wentworth (Rupert Penry-Jones). A família de Anne não concorda com essa relação e a convence romper seu relacionamento amoroso. Anos após Anne o reencontra, agora cortejando sua amiga e vizinha, Louisa Musgrove.

Por que assistir?
Apesar de gostar de "Orgulho e Preconceito", não dá para negar que Mr. Darcy é um babaca em várias partes do livro. Wentworth é quieto, não revela as coisas, mas não coloca Anne para baixo. Além disso tem a maturidade desse wanna-be-relacionamento e todas as consequências para todo mundo. Dai você descobre que não está tudo perdido para o nosso casal e o Capitão escreve "A Carta". Suspirou? Eu também. Menção honrosa para a maratona que Anne corre em uma ousada tentativa de plano sequência.



Jane Eyre (2006)
Eu sei que tem uma adaptação mais nova, mas não consigo desapegar dessa. Se existe uma alma sofredora, meus amigos, essa é Jane Eyre. Ela foi criada em um ambiente pobre pela sua tia, Sra. Reed (Tara Fitzgerald). Mais velha (Ruth Wilson), Jane começa a trabalhar para a Senhora Fairfax (Lorraine Ashbourne), para ser governanta da jovem Adele (Cosima Littlewood). Jane acaba criando um sentimento forte pelo proprietário da fazenda, Mr. Rochester (Toby Stephens), que também tem sua atenção chamada pela jovem. Contudo, Rochester está comprometido a cortejar a jovem Blanche Ingram (Christina Cole).

Por que dar uma chance?
Sabe tiro, babado e confusão? Esse é o sentimento. Quando você acha que a pobrezinha vai ser feliz, você erra. Quando acha que tá tudo bem, você erra de novo. Jane Eyre, nossa Maria do Bairro da regência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários

Coisas Infinitas © 2014