quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Então um dia acordei e decidi voltar ao tom natural do meu cabelo

quarta-feira, 25 de novembro de 2015
Eu não lembrava direito da cor do meu cabelo. Explico: pinto o cabelo desde os 15 anos, logo depois do meu aniversário. Foi o acordo que fiz com minha mãe - mudaria antes se pudesse. Originalmente não sou loira nem morena, uma coisa meio louro escuro cinza sem definição que minha mãe carinhosamente chamava de "cor de burro quando foge". 

Então na semana passada pintei meu cabelo com o tom de ruivo que sempre faço, mas ao contrário das outras vezes, ficou escuro - mistérios do cabelo acobreado como vocês já bem sabem acompanhando a saga ruiva. Resolvi passar o dekap color e pintar de novo, mas quando terminei fiquei loira e pensei: por que não cuidar e pintar depois?

Tenho o cabelo ruivo faz quase dez anos. Faz parte de quem eu sou, dos apelidos, dos meus interesses - tá ai o guia do ruivo que não me deixa mentir - mas de repente, quis saber se eu ainda não ia com a cara do meu cabelo original. Uma amiga que acaba de fazer transição capilar - se não sabe o que é clique aqui - me disse que era muito louco ela ser apresentada aos fios de verdade dela, cachinho por cachinho, já que alisava ou relaxava desde criança. Me lembrei dela e mesmo que em dimensões muito menores, resolvi me reapresentar ao meu tom de nascimento.


Estou achando a sensação esquisita, mas o tom que deveria ser o meio louro escuro cinza sem definição passou de ser muito feio para uma cor incrivelmente bonita. Estou a uma semana olhando para meu reflexo no espelho e entendendo que era pura implicância adolescente. O mais engraçado é que absolutamente ninguém reparou. Estão todos tão condicionados a me ver ruiva, que o cérebro de todos continuam a enxergar o que não está mais ali. Só reparou quem eu disse pra reparar.

Isso significa que minha aventura com o ruivo termina aqui? Não. Como disse lá em cima e nesse post aqui, é parte de quem eu sou, é basicamente a cor de cabelo que minha genética se negou a ter mas que a tecnologia me ajudou a aprimorar.  Por enquanto está sendo divertido revisitar e fazer as pazes com coisas tão bobas do passado como a cor de cabelo que eu odiava, depois a gente volta para a programação normal.

PS: escrevi esse post e tirei as fotos com alguns dias de diferença. Quem está ali, se esgueirando nos fundos e querendo aparecer no cabelo nesse intervalo de tempo? Isso mesmo, o pigmento acobreado. Eu juro para vocês que estava mais castanho.

Um comentário:

Coisas Infinitas © 2014